INFORMÁTICA

   
  Acessa SP ensina informática para terceira idade
  Tricô e damas são coisas do passado ...Vovós e Vovôs entram na era da informática
  Terceira idade entra em contato com o mundo da informática
  Universidade da Terceira Idade promove Programa de Inclusão Digital do Idoso

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ACESSA SP ENSINA INFORMÁTICA PARA TERCEIRA IDADE


Ajudar a vencer o medo da informática, melhorar a qualidade de vida e aumentar a rede de relacionamento dos idosos: estes são alguns dos objetivos de projetos voltados à terceira idade do Acessa SP, programa de inclusão digital do Governo do Estado de São Paulo que abrange a região metropolitana e interior.

O número de idosos com acesso à Internet no Brasil dobrou entre 2006 e 2008, segundo estatísticas do Ibope (Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística). A população brasileira com idade acima de 65 anos com acesso à Internet passou de 12% para 25%.

No programa Acessa SP, o crescimento de usuários idosos também cresceu. De acordo com a Ponline, pesquisa que os frequentadores do Acessa SP respondem para traçar o perfil de quem usa o programa, de 2006 para 2008, o percentual de idosos dobrou, passando de 0,4% para 0,8%.

Atualmente, a Rede de Projetos do Acessa tem 85 iniciativas voltadas à terceira idade, cerca de 20% do total de projetos registrados. "Os jovens já nasceram com computador e internet, por isso para eles é algo natural. Já os idosos têm maior necessidade de intermediação para usar o computador. Daí a importância desse tipo de iniciativa no processo de inclusão digital", explica o coordenador da Rede de Projetos, Ângelo Pixel.

Em Itaquaquecetuba, na região metropolitana, o posto do Acessa SP virou ponto de encontro de pessoas na faixa etária entre 60 e 70 anos. Lá, eles participam do "Ser feliz na Internet", projeto de autoria dos monitores da unidade. Desde maio do ano passado, eles recebem participantes do programa municipal "Melhor Idade", que tem como objetivo melhorar a qualidade de vida da terceira idade. Com aulas de duração de uma hora, os idosos recebem instruções sobre informática às segundas e quartas-feiras. O programa já está na terceira turma.

"A cada ciclo encontramos idosos um pouco tímidos, que acham o computador um instrumento frágil e têm medo de usá-lo. Quando eles concluem o aprendizado, é gratificante constatar que encontraram uma nova forma de usar o que a tecnologia oferece para melhorar suas vidas", analisa Thiago Ribeiro de Melo, um dos monitores do espaço.

Nas oficinas, os idosos aprendem a encontrar na internet informações que usam no dia-a-dia. Aos 66 anos, Hélia Dias aprendeu encontrar em sites desenhos que utiliza como motivos para pintura. No caso de Marinez Romero, 63 anos, a Internet possibilitou a oportunidade de fazer um curso de medicina alternativa.

Inclusão na cidade de São Paulo

Na zona Sul da capital, o Acessa SP do Bom Prato Santo Amaro mantém projeto de iniciação à informática desde 2002 que já formou 256 participantes com idade acima dos 60 anos. O projeto funciona em ciclos com duração de seis meses e continua a capacitar a terceira idade, dentre outros públicos.

Outro posto em São Paulo que atende os idosos é do Parque da Juventude. Foi lá que Paula de Oliveira, 70, teve o primeiro contato com informática. Seu objetivo era dar um basta na solidão. Seguiu o conselho da nora e, agora, amplia sua rede social em sites de relacionamento.

Interior

Na cidade de Rubinéia, região de São José do Rio Preto, o posto do Acessa SP também promove oficina voltada para idosos. Com o aprendizado, Geny Venâncio, 59 anos, diminuiu a distância dos familiares e agora conversa com as irmãs em São Paulo e no Mato Grosso pela Internet.

O município de Santo Antônio da Alegria, na região de Ribeirão Preto, melhor cidade paulista para uma pessoa acima de 60 anos viver, segundo o Índice Futuridade, desenvolvido pela Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Socia, mantém o projeto "Sou uma Vovó Conectada".

A monitora da unidade, Daniela Ferreira de Oliveira, foi procurada pelas "vovós", como ela chama carinhosamente suas alunas, que questionaram a possibilidade de aprender a usar o computador no posto. Depois de elaborar o projeto, Daniela procurou o Centro de Convivência do Idoso (CCI) do município e propôs uma parceria para que os idosos assistidos também participassem das aulas.

O curso com duração de 4 meses é realizado em duas aulas por semana. Daniela ensina a digitação em softwares de edição de texto e o uso de ferramentas de comunicação online.

Serviço

"Ser feliz na internet"
Onde: Acessa SP de Itaquaquecetuba - Av. Emancipação, 37 - Centro
Aulas: segunda e quarta-feira, das 8h às 9h
Informações: (11) 4642-5884

"Inclusão digital da 3ª idade"
Onde: Acessa SP de Rubinéia - Av. Guimarães Rosa, 240 - Centro
Aulas: segunda e quarta-feira, das 8h às 10h
Informações: (17) 3661-1351

"Sou uma Vovó Conectada"
Local: posto do Acessa SP de Santo Antônio da Alegria - R. Coronel Antônio de Souza Vieira, 494 - Centro
Aulas: segunda e quarta, das 9h às 10h; terça e sexta, das 9h às 10h; e quinta-feira, das 9h às 11h

"Informática para a 3ª Idade"
Onde: Acessa SP Bom Prato - R. Mário Lopes Leão, 685 - Santo Amaro, SP
Aulas: de segunda a quinta-feira, das 7h às 8h; das 8h às 9h e das 9h às 10h
Informações: (11) 5546-0946

 

   

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

TRICÔ E DAMA SÃO COISAS DO PASSADO ... VOVÔS E VOVÓS ENTRAM NA ERA DA INFORMÁTICA

 

 

Sebastiana Vieira Soraes Deborah Moratori
23/07/03

Dia 26 de julho é Dia da vovó e do vovô! Se você está pensando em comprar um chinelinho, é melhor mudar de idéia...

Engana-se quem pensa que programa para a terceira idade é hidroginástica e dança de salão. Cada vez mais interessados em estarem atualizados, idosos e idosas procuram programas específicos para o público e provam que a melhor arma contra o preconceito e a solidão é o conhecimento.

Artesanato, atividades físicas e interpretação teatral são apenas alguns dos cursos oferecidos à terceira idade da cidade que conta com dois projetos na área. O Pólo Interdisciplinar na Área de Envelhecimento da Universidade Federal de Juiz de Fora desenvolve trabalhos junto à população idosa desde 1991 e a Prefeitura de Juiz de Fora, através da Associação Municipal de Apoio Comunitário, mantém o Pró-Idoso.

Terapia digital
Nesses dois programas são oferecidas, entre diversas oficinas, oportunidades para os idosos entrarem em contato com a informática. Windows, Word, internet, Print Artist e Power Point são as opções do curso da UFJF. A secretária do Pólo Interdisciplinar na Área de Envelhecimento, Ana Rosa Aleixo diz que o curso existe há três anos e que a procura sempre foi grande. "São pessoas que estão interessadas em se informar, mas se sentem inibidas em turmas com alunos mais jovens", explica.

Angelo Cavestro Lucy Mendonça Ribeiro de Almeida Ruth Santos Staduto

"É uma terapia ocupacional", afirma o aposentado Sinzenando Mattos Xavier. Há cinco anos no projeto da universidade, ele aprova a iniciativa e conta que já participou de três cursos de informática. "As aulas são muito boas, o professor, um espetáculo", elogia. "Eu procurei o curso para preencher meu tempo e também para saber mais", explica, contando que costuma navegar pela web e que troca e-mails com amigos. O assunto? "Conversa 'fiada' para distrair", responde.

O Pólo Interdisciplinar na Área de Envelhecimento está com inscrições abertas para novos cursos de informática. As aulas têm início no dia 5 de agosto. Quem se interessar pode se inscrever até a primeira semana do próximo mês. São 11 alunos por turma, um aluno por terminal, e há vários horários para as turmas de segunda e quarta-feira e terça e quinta-feira. Podem se matricular alunos com idade superior a 45 anos. A matrícula tem o valor de R$ 45 e a mensalidade custa R$ 30. O pólo funciona na Rua Severino Meireles, 260. Mais informações podem ser obtidas através do telefone 3216-3697.

Remédio virtual
Basta que alguém ensine as inovações tecnológicas aos idosos para que eles percebam que o computador é um forte aliado contra o tédio e a estagnação. A Amac, em parceria com a Prodemge, disponibiliza computadores para os idosos que participam do Programa Internet Sênior acessarem a internet.

Clique aqui para conhecer melhor o Prodemge

Lélia Ribeiro da Silva Ataíde Ventura dos Reis e Flor de Maio Lopes Reis Fernando Mendes Bezerra

A assistente social da Amac, Magda Cristina Ferreira de Oliveira, explica que não são oferecidos cursos de informática. "Nós temos monitores que acompanham os idosos e dão alguma orientação". Há dois anos com essa experiência, Magda explica que os idosos que freqüentam o Pró-Idoso demonstram bastante interesse pela atividade.

"Antes de terem um contato, eles se mostram receosos em relação à tecnologia. Mas depois que descobrem que têm capacidade para lidar com o mundo digital, ficam até com a auto-estima elevada".

A monitora Alessandra Tereza Cerutti (foto), conta que os usuários iniciantes aprendem algumas noções básicas sobre o computador e navegação. "A gente tem que usar uma didática bem especial. Temos que ter paciência e muita calma. Quase todos que chegam ao programa não têm nenhuma noção sobre informática, mas eles aprendem com muita facilidade", elogia.

A monitora explica que a procura pelo serviço é bem grande. Sites de piadas e de jogos são os mais acessados. Mas, de acordo com ela, a maioria dos usuários usa a internet para trocar e-mails com amigos e familiares distantes.

De carteirinha
Internauta assumido, Pedro da Silva, teve contato o primeiro contato com os computadores por acaso. "Eu estava jogando sinuca ali, quando me chamaram para tirar uma foto. Aí a professora perguntou se eu gostaria de aprender. Sem querer dizer não, respondi que sim e pensei 'eu fico aqui hoje e amanhã não volto mais'", conta.

Desde então, o aposentado que faz parte do Programa Internet Sênior do Pró-Idoso diz que não fica um dia sequer sem entrar na Internet. "Minha esposa até briga comigo e pergunta se todo o dia eu tenho que vir. Antes eu nem pensava em mexer, nem chegava perto".

Questionado sobre os sites de que mais gosta, ele responde: "Cada dia eu faço uma coisa, para não repetir sempre a mesma coisa". Os endereços interessantes e o e-mail das monitoras que o ensinaram a lidar com os computadores ficam anotados num caderno. Sr. Pedro conta que uma das vantagens de saber usar a internet é poder ajudar os outros. "Dá para cadastrar o CPF para quem não sabe", exemplifica.

Sem trabalhar desde 1984 e tendo parado de estudar aos 14 anos, ele fala que aprender e conhecer coisas novas serve como incentivo. "Às vezes derrapa alguma coisa, mas aqui eu estou sempre aprendendo. Voltei a ler e a escrever de novo".

Companheiro de viagem
O início é mais ou menos o mesmo para todos. Medo e receio, sensação de que nunca vai aprender... Depois de alguns clicks, "a gente já consegue firmar o mouse". Saulo Aguiar da Silva gosta de acessar sites de jornais na internet. "Eu também entro em páginas de materiais eletro-eletrônicos e que têm receitas culinárias", fala.

O aposentado, que possui computador em casa, usa as máquinas do Programa Internet Sênior para navegar na Web, "em casa eu não tenho internet", explica. Ele conheceu o mundo digital em fevereiro deste ano e, desde então, não largou mais a net. "Eu também uso o e-mail para me comunicar com a minha filha que estuda no Rio de Janeiro. Daqueles sites de conversa eu não gosto", conta, citando os chats.

Receoso, o aposentado também não divulga seus dados em cadastros e não faz compra pela internet. Com um relatório de sites interessantes na mão, Sr. Saulo elogia o programa. "É uma atividade para o cérebro não ficar parado. Esclarece a mente da gente", conclui.

Pode participar do programa quem tem mais de 60 anos. O tempo máximo de permanência no terminal é de 40 minutos. O Centro de Convivência do Idoso Dona Itália Franco onde o programa funciona fica na Rua Espírito Santo, 434. Mais informações, pelo telefone, 3690-7365.

   

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

TERCEIRA IDADE ENTRA EM CONTATO COM O MUNDO DA INFORMÁTICA


Rosimeire Souza, aposentada por problemas físicos, costumava ficar em casa ociosa e deprimida. Até que surgiu a oportunidade de começar o curso de informática do DF Digital no Lúcio Costa há dois meses. Nesta sexta-feira (29), ela e outros 90 alunos de três centros digitais receberam os certificados de conclusão dos cursos do programa Geração III da Secretaria de Ciência e Tecnologia.

 

O programa é direcionado às pessoas com mais de 60 anos e lhes dá a oportunidade de conhecer o mundo da informática. Rosimeire, por exemplo, agora disputa o computador com a filha, faz compras e paga as contas pela internet. "Um leque de conhecimentos se abriu para mim, algo que jamais imaginei", contou.

 

O governador José Roberto Arruda participou da formatura das turmas da terceira idade e agradeceu a coragem, a vontade e a disposição dos alunos com mais de 60 anos em aprenderem algo tão diferente. "Estão todos tendo a chance de ter intimidade com o computador e acesso a um conhecimento que antes era impensável", disse Arruda.


Muitos alunos chegam envergonhados por não saberem o básico da informática. "Eu tinha vergonha até de pegar no mouse, nos sentimos discriminados", lembrou a presidente da Associação de Idosos Lúcio Costa, Jane Teles. De tanto insistir, ela aprendeu e passou de estudante a monitora do DF Digital do Lúcio Costa.

 

O curso tem 40 horas/aula, o equivalente a dois meses em sala de aula, e dá aos idosos capacitação no Microsoft Word, internet, e-mail, além de introdução ao processamento de dados, que são os conceitos iniciais de informática. "Depois das aulas temos até de alertá-los para não ficarem viciados em internet", afirmou o secretário de Ciência e Tecnologia, Izalci Lucas.
O DF Digital conta com parceria da Fundação de Apoio e Pesquisa do DF e da Fundação Gonçalves Ledo. O programa está presente em 26 cidades do DF com salas e computadores e atende a população interessada em se capacitar profissionalmente por meio de cursos, desde que tenha no mínimo 14 anos. Próximas turmas estão marcadas para 15 de junho.

 

Fonte: ClicaBrasilia

   

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Universidade da Terceira Idade promove Programa de Inclusão Digital do Idoso.

Extraído de: Governo do Estado do Rio de Janeiro -  13 de Março de 2009

 

Por Marcelle Colbert, do Núcleo Intranet

 

Com o objetivo de oferecer aos idosos os benefícios das novas tecnologias da informação e da comunicação, a Universidade Aberta da Terceira Idade (UnATI) criou o Programa de Inclusão Digital do Idoso (INDI). Nas aulas de informática, ministradas pelo Proderj e o Instituto de Matemática e Estatística da Uerj, os alunos aprendem todas as etapas da informatização, desde os programas mais utilizados até o acesso à internet. A ideia da alfabetização digital é ampliar a contribuição social do idoso e estreitar os laços entre cidadão e Estado.

Para a coordenadora do programa de Inclusão Digital e vice-diretora da UnATI, Célia Caldas, o projeto ajuda os idosos a perder o medo do computador e seus equipamentos. O INDI disponibiliza novas possibilidades para aumentar a relação de comunicação de pessoas da terceira idade com as novas ferramentas tecnológicas. O Programa de Inclusão Digital do Idoso é dividido nos cursos de Introdução à Informática, onde os alunos aprendem a usar Word e Power Point em 4 meses, e Internet Sênior, que ensina sobre a rede de computadores durante 15 dias.

- Nossa principal meta é criar oportunidade para o idoso se incluir na sociedade informatizada. Não queremos apenas treiná-los ou profissionalizá-los. Hoje, vivemos em um ciberespaço, um espaço de encontros, construção de relações e trocas de informação. A inclusão digital vai viabilizar a conexão de indivíduos que estão separados geograficamente e são diferentes na sua história, cultura e crenças. A alfabetização digital promoverá ainda o desenvolvimento social, cognitivo e afetivo do aluno - explica.

Durante as oficinas, os estudantes da UnATI frequentam o laboratório de informática da instituição, navegam pelo mundo da internet e estudam as mais diversas ferramentas da área. Os internautas de primeira viagem aprendem sobre a história do computador e a utilização de seus componentes. Por ano, cerca de 40 idosos recebem o certificado de conclusão do curso de Introdução à Informática. No Internet Sênior, são capacitados de 10 a 20 alunos a cada 15 dias.

A representante dos estudantes da universidade da terceira idade, Angélica Guimarães Conte, de 70 anos, conseguiu superar a dificuldade de aprender sobre os até então mistérios do computador depois de assistir às aulas do curso de Introdução à Informática. Hoje, ela passa horas em frente a sua máquina, navegando pela internet.

- Antes da oficina, tinha dificuldade de lidar com o computador. Olhava para a máquina como um analfabeto olha uma cartilha. Aprendi muito sobre informática. No início tive um pouco de dificuldade, mas hoje não conseguiria viver sem um computador com internet - conta.

Para ajudar na inclusão social dos alunos da UnATI, os técnicos recrutados pelo Proderj recebem treinamento em atendimento ao cliente, trabalho em equipe e práticas de cidadania. Os dedicados monitores incentivam os idosos a visitar sites de relacionamento e de comportamento, além de acessarem e-mails e páginas de notícias. Uma das maiores dificuldades dos estudantes da instituição é o manuseamento do mouse.

Formado no curso de Internet Sênior, Cid Fayão, de 70 anos, garante que aprendeu tudo sobre o universo da rede. Depois de concluir a oficina, o fotógrafo aprendeu a enviar e-mails e a utilizar sites de pesquisa. Atualmente, o aluno está usando todos os conhecimentos adquiridos no curso para produzir, junto com seus colegas da UnATi, um jornal.

- Decidi fazer essa oficina rápida e elucidativa para não ter que ficar perguntando para outras pessoas sobre a famosa internet. Gostei tanto de aprender sobre o tema que quero estudar os programas Photoshop e CorelDraw para editar as fotos que faço - relata.

O curso da Internet Sênior recebe inscrições durante todo o ano. Os interessados devem entrar em contato com a Universidade Aberta da Terceira Idade (UnATI), através dos telefones (21) 2587-7121, (21) 2587-7199, (21) 2587-7236 e (21) 2587-7672.


Autor: Por Marcelle Colbert, do Núcleo Intranet Com o objetivo de oferecer aos idosos os benefícios das novas tecnologias da informação e da comunicação, a Universidade Aberta da Terceira Idade (UnATI) criou o Programa de Inclusão Digital do Idoso (INDI). Nas aulas de informática, ministradas pelo Proderj e o Instituto de Matemática e Estatística da Uerj, os alunos aprendem todas as etapas da informatização, desde os programas mais utilizados até o acesso à internet. A ideia da alfabetização digital é ampliar a contribuição social do idoso e estreitar os laços entre cidadão e Estado.